O Bichanos do Porto é um projecto de um grupo de amigas com uma paixão comum: gatos. Lidamos constantemente com situações de abandono e maus tratos e não conseguimos ignorar esta triste realidade. Como não somos associação nem temos espaço próprio, os gatinhos que recolhemos são acomodados nas nossas próprias casas. Por isso, tudo o que fazemos é fruto de esforços pessoais, a todos os níveis, bem como da boa vontade de todos aqueles que, de uma forma ou de outra, vão colaborando com esta causa.

26/09/06

O fácil... e o difícil

É fácil fazer festas a um gato.
É difícil conquistar um gato arisco e medroso ou ter um gato que se esconde atrás dum sofá ou dum armário.

É fácil ver um gatinho brincar e rir das suas piruetas e tolices.
É difícil quando um gatinho a brincar nos parte um bibelot ou estraga as nossas cortinas preferidas.

É fácil acariciar o pêlo macio e bem cheiroso dum gato limpo e bem tratado.
É difícil sentir o cheiro do caixote do gato.

É fácil ter um gato em casa à nossa espera.
É difícil (e muitas vezes caro) ter de levar um gato ao veterinário, por vezes com regularidade.

É fácil pôr comida e água ao gato e esperar que ele coma.
É difícil ter de alimentar um gato doente à seringa, ou experimentar várias rações até acertar com a certa para um gato esquisito.

É fácil dar petiscos ao gato.
É difícil dar-lhe comprimidos, dar-lhe o desparasitante ou as vacinas, ou medicação cara a um gato doente.

É fácil dar restos da nossa comida ao gato.
É difícil gastar dinheiro numa comida própria para ele e ter de a comprar com regularidade.

É fácil chegar a casa cansado depois dum dia de trabalho, sentar-se no sofá e ver televisão com o gato no colo.
É difícil chegar a casa cansado depois dum dia de trabalho e aperceber-se que tem de limpar o caixote do gato, ou que o gato vomitou no chão (ou no sofá, ou na cama) e que tem de limpar.

É fácil ir de férias ou de fim de semana e deixar o gato sozinho com comida e água.
É difícil levar o gato ou arranjar quem vá todos os dias fazer-lhe companhia.

É fácil (para muita gente) afogar gatinhos recém nascidos.
É difícil (e caro) esterilizar os animais.

É fácil tomar a decisão de ter um gato.
É difícil ter de decidir que a vida com qualidade de um animal chegou ao fim, devido a doença, e vê-lo partir.

É fácil ter o nosso amigo à nossa espera em casa.
É difícil lidar com a perda dum animal que foi nosso amigo durante muitos anos.

É fácil ver um animal na rua em apuros, olhar para o outro lado e passar adiante.
É difícil parar, recolher o animal e ajudá-lo.

É fácil ver um animal em apuros, passar adiante e avisar outros para que lá o vão recolher e ajudar, com consciência tranquila por já termos feito a nossa parte.
É difícil assumir que ajudar um animal também é nossa responsabilidade, e não apenas dos outros (que muitas vezes têm as mesmas dificuldades que nós).

É fácil recolher um animal e entregá-lo a alguém para que cuide dele.
É difícil assumir essa responsabilidade, gastar dinheiro e energia com o animal e cuidar dele como se fosse nosso.

É fácil desistir quando as coisas se tornam difíceis e colocar o gato na rua ou despachá-lo para outras pessoas.
É difícil assumir que as dificuldades fazem parte da relação com um animal e assumir essa relação até ao fim da sua vida.

Não pretendo que ninguém se assuste com este texto, ou ache que ter animais é sempre difícil, apenas que tomem consciência que as coisas nunca são apenas fáceis, mas às vezes são difíceis, e por vezes muito difíceis. Todas as decisões que envolvam animais devem ser tomadas com isso em mente, porque um animal é um ser vivo. Mas como já muita gente descobriu, quando algo é difícil, é muito mais compensador do que quando é muito fácil. E frequentemente o que é difícil ou caro é o mais acertado (como esterilizar os animais, para evitar ninhadas indesejadas, ou vacinar os animais para os manter saudáveis).

Também gostava de transmitir a mensagem de que ajudar animais pode ser feito por toda a gente. Todos temos dificuldades e constrangimentos, todos somos forçados a escolher, pois não temos capacidade para acudir a todas as situações. O que nós Bichanos do Porto fazemos não é de forma alguma extraordinário, simplesmente nós assumimos as dificuldades (e aqui não falamos delas) e cada uma só dá aquilo de que é capaz. Não é fraqueza nenhuma assumir que não temos capacidade para tudo e pedir ajuda, o que podemos e devemos evitar é a atitude de “sacudir a água do capote” e esperar que sejam os outros a fazer as coisas. Também não é fraqueza nenhuma assumir que não podemos fazer algo em determinada altura, desde que não culpemos os outros por não o poderem igualmente fazer.

E agora... vou limpar os caixotes. :))

11 comentários:

Sónia Pereira disse...

Muito bem dito!!!!!

Para ti, uma vénia virtual ;-)

Mãe India disse...

Eu não diria melhor =)

P.S.- e agora que acabei de tratar da filhota e dos gatos vou jantar =P

Kuska disse...

Este texto deixou-me a pensar muito. Já que tenho pensado muito em algumas questões que aqui expõe. E a conclusão que eu chego, é simplesmente esta: não tenho feito nada para vos ajudar, e sinto-me impotente para o fazer. E porquê? Porque infelizmente tudo o que se trata de ajudar um gatinho em dificuldades, envolve dinheiro, e por vezes muito dinheiro. Eu não precisava de dizer que sou uma pessoa com imensas dificuldades monetárias, e tive que me expor a isso com muita mágoa para cuidar de um gatinho que acolhi da rua. Sinto orgulho de o ter acolhido, mas sinto e senti quase que "vergonha" de expor que nem dinheiro tinha para me deslocar. Só espero a compensação final que julgo se irá concretizar, de que aquele pequenino venha a ser muito feliz, já que me sinto responsável por não o ter logo adormecido, e antes disso dar-lhe uma oportunidade, que todos nós temos por direito, a de viver.

Raquel Mendes disse...

:) Pois é assim mesmo! E ontem, quando fui limpar a liteira à 1h da manhã também não foi fácil. Mas as melhores coisas da vida não são grauítas, e muitas vezes é necessário lutar contra os "contras" para melhor ver os "prós".
Parabéns pelo vosso trabalho.

bjs
Raquel

Kuska disse...

as melhores coisas da vida não são grauítas desculpe a observação, mas não concordo com isto, porque as melhores coisas da vida não se compram....

ceu disse...

Sem palavras!!! Foi precisamente este estado de espírito que me fez devorar o vosso blog e oferecer a minha ajuda. Já sabem, ando por cá para o que for preciso ;)

bixana disse...

Kuska, é a isso precisamente que eu me refiro! Pediu-nos ajuda mas não tentou "sacudir a água do capote". Não tem mal nenhum pedir ajuda e assumir que não temos capacidade para tudo (nós fazemo-lo...). Quantas vezes temos de deixar coisas por fazer por não termos capacidade para mais...
Para mim ter animais é um pouco como ter filhos ou casar (salvaguardadas as devidas distâncias, obviamente), pois é um compromisso para a vida, mesmo sendo para a vida do animal, por ser apenas uma fracção da nossa. E temos de saber esperar o difícil junto com o fácil, como em tudo.

Já agora, espero que o gatinho fique bom! :))

Raquel Mendes disse...

Kuska, referia-me gratuítas em questão de esforço, não de uma forma material... Claro que não se compram!

Formiguinha disse...

Um texto mto bonito, sensato, profundo e com utilidade. Tens toda a razão: ter um animal é assumir um compromisso para toda a vida que nos dá inúmeras alegrias, mas que tb nos custa mto dinheiro (eu que o diga, tenho perto de 20, fora os que vem de passagem).

Vou tomar a liberdade de copiar o teu texto para o Blog dos Bichos (http://blogdosbichos.blogs.sapo.pt)

Jinhos***

Anónimo disse...

é fácil fazer tudo isso.
é difícil viver.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,